Archipo.Wilson. Tecnologia do Blogger.

quarta-feira, janeiro 23, 2008

Cidade do Samba fica pequena para os carros alegóricos da Grande Rio

Publicada em 03/01/2008 às 18h51m
Alberto João - O Globo Online


RIO - Duas vezes vice-campeã do desfile do Grupo Especial (2006 e 2007), a Grande Rio quer superar essa barreira e conquistar o sonhado título no carnaval 2008. Para isso, a escola de Duque de Caxias prepara um enredo sobre o gás e investe pesado no volume de seus carros alegóricos. O espaço dentro do barracão na Cidade do Samba está pequeno para as oito alegorias e tripés. Veja fotos do barracão da Grande Rio

- Tudo que entra na Avenida fica pequeno. Preciso tomar toda pista. Queremos exuberância. Essa é uma estratégia plástica. A idéia é criar grandes blocos entre os setores. Os carros ficam na mesma medida que outras escolas, mas não usamos rampa. Nossa alegoria tem 360 graus. Estamos prontos para conquistar o título. A Grande Rio faz um super-espetáculo. Nossa parte visual é poderosa e a leitura do enredo é muito boa - explica o carnavalesco Roberto Szaniescki.

"
Tudo que entra na Avenida fica pequeno. Preciso tomar toda pista. Queremos exuberância. Essa é uma estratégia plástica - Roberto Szaniescki
"
--------------------------------------------------------------------------------
O carnavalesco funciona como um gestor dentro da escola e diz que não consegue tirar um mês inteiro de férias.

- Trabalho com o patrocinador, imagem e criação. Em 2008, eu completo 30 anos dentro do carnaval. Sei que tudo que passa pela Avenida é uma releitura ou muito novo. Gosto de ir na contramão do que já foi feito. Perdemos os artesãos. O desfile não pode ser o luxo pelo luxo. Temos que ter qualidade de criação. Podemos usar tudo, mas precisa ter significado.

A Grande Rio prepara novidades em termos de materiais para o seu desfile no carnaval 2008.

- O enredo sobre o gás parece uma bobagem, mas temos situações que vão surpreender. A polêmica do gás entre Bolívia e Brasil teve influência na escolha do enredo. Também citamos a dependência do ser humano ao gás e como isso aconteceu. Falamos dos carros nos automóveis e cozinha. A bacia de Urucu é a quarta maior reserva de gás. Acredito que em 10 anos, o Brasil seja auto-suficiente. Os royalties do gás serão revertidos para região da Amazônia. Teremos muitos animais, com seus pelos revestidos com sisal, movimentos mecânicos e hidraúlicos. Além disso, a nossa iluminação será elaborada. O desfile continua um grande circo - brinca Szaniescki.

Para abrir seu desfile com impacto, a Grande Rio prepara um carro abre-alas com 22 integrantes do grupo Intrépida Trupe, que fará acrobacias para contar os átomos em ebulição e a criação do universo.

- Uma das novidades será o nosso segundo carro alegórico. Ele terá três movimentos. Água na frente, o centro traz os dinossauros e na parte traseira com esqueletos e poços de petróleo. A quarta alegoria não terá nem frente e nem fundo. Será um relógio de porcelana francesa. Vinte e seis mulheres vão representar candelabros.

O quinto carro alegórico traz diversos tipo de botijões de gás. Além disso, o carnavalesco usará imagens de pessoas trabalhando em vários sentidos: cozinha, posto de combustível e etc.

- Aposto nesse quinto carro. Ele tem uma linguagem diferente. Na sexta alegoria, nós usamos e abusamos da turma de Parintins e seus movimentos variados.

Para fechar seu desfile, a Grande Rio viaja no tempo e sonha com uma cidade de Coari do futuro, onde o Brasil é auto-suficiente no gás.

Grande Rio prepara robô híbrido para seu desfile

Alberto João - O Globo Online

RIO - Depois de colocar um homem para voar no Sambódromo, no ano de 2001, a Grande Rio prepara mais uma novidade. Dessa vez, o carnavalesco Roberto Szaniescki fez um robô híbrido idêntico ao criado para ser usado na região amazônica. Ele foi feito para auxiliar as pesquisas de monitoramento sócio-ambiental desenvolvido ao longo do rio Solimões, por onde acontece o transporte de petróleo e gás que partem do terminal de Coari rumo à refinaria da Petrobras em Manaus.
Em forma de mini-alegoria, dois protótipos do novo robô, com dimensões para abrigar um componente cada um, serão acoplados na frente do oitavo carro da escola, que fala da preservação ambiental e da cidade de Coar do futuro, no Amazonas, que é tema do desfile da escola esse ano. As alegorias referentes aos dois primeiros protótipos do robô, já prontos, também estarão no desfile.
Enquanto as duas primeiras versões do robô são tele-operadas, a nova ganhou uma carcaça de acrílico e metal para abrigar um homem/mulher, o que facilitará a pesquisa em ecossistemas menos conhecidos da Amazônia ou qualquer ambiente de área inundável.
Além de recolher e medir os parâmetros físico-químicos da água, o robô poderá, em sua versão final, colher dados e amostras, enviar imagens e captar sons, conseguindo alcançar regiões dos rios e da floresta antes inacessíveis pelos meios convencionais de locomoção.
- Sou meio místico e acho que tudo isso tem a mão do Chico Mendes, a quem homenageamos no nome do robô - disse Ney Robinson, engenheiro do Laboratório de Robótica do Cenpes/Petrobras.
A Grande Rio é a quinta escola a desfilar na segunda-feira de carnaval, pelo Grupo Especial.

Petrobras assina convênios com municípios do Amazonas

18 de janeiro de 2008.


MANAUS - A Petrobras realiza nesta sexta-feira (18) a assinatura de contratos de patrocínio a nove projetos sociais de municípios do Amazonas, como Coari e Carauari. Os patrocínios, firmados pela empresa por meio da Unidade de Negócio da Bacia do Solimões (UN-BSol), beneficiarão oito entidades, responsáveis por nove projetos.

Cinco desses nove projetos compõem o Programa Ajuri Social, da Unidade da Bacia do Solimões, que busca incentivar o protagonismo e a co-responsabilidade, para que as comunidades se articulem a fim de superar seus problemas sociais.

Os outros quatro patrocínios serão firmados entre a Unidade e projetos sociais de municípios situados no entorno de áreas de atuação da Companhia no interior e em Manaus.

Os projetos são selecionados por uma comissão formada por membros da Petrobras e de entidades do terceiro setor amazonenses. A seleção levou em conta o potencial de inclusão social; os benefícios e impacto social; a viabilidade técnica e econômica e a experiência e habilitação da organização, entre outros critérios.

RC



Fonte: Editar Comunicação - RC