Archipo.Wilson. Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, novembro 04, 2011

Vereadores de Coari querem CPI e afastar prefeito


O procurador do município, Ernesto Costa, informou que Arnaldo Mitouso determinou a revogação do contrato e a devolução aos cofres públicos dos valores pagos à empresa, com correção monetária.
[ i ]Parlamentares prometem tomar providências na próxima terça-feira sobre o caso Mitouso. Foto: Nathalie Brasil
Manaus - A Câmara Municipal de Coari (a 363 quilômetros de Manaus) vai pedir o afastamento, por 90 dias, do prefeito do município, Arnaldo Mitouso (PMN), e a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar irregularidades em contratos firmados pela prefeitura, segundo o presidente da Casa, Iran Medeiros (DEM).
O PORTAL D24AM, na edição do dia 30 de outubro, mostrou que a Prefeitura de Coari, através de um decreto do prefeito, contratou sem licitação o escritório jurídico Souza & Sena Associados, que tem entre seus sócios o diretor-presidente do Instituto de Previdência do município (Coariprev), Elissandro de Souza, que recebeu durante um ano R$ 60 mil mensalmente. A contratação aconteceu antes mesmo do escritório possuir o registro junto ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).
O Portal D24AM também informou que a prefeitura contratou a empresa da irmã do secretário de Planejamento, Josinaldo Linhares de Oliveira, para fornecer material de expediente e produtos de limpeza, além da Pegazus Computação, que tem como proprietário o secretário executivo adjunto da Casa Civil, José Pereira da Silva, para fornecer computadores. 
De acordo com o vereador, o assunto vai ser discutido na próxima terça-feira, quando acontece a reunião plenária do parlamento. Segundo ele, a Procuradoria da Casa já está cuidando do assunto e reunindo documentos para a abertura da CPI. “A Câmara não pode ficar omissa, precisamos fazer algo. Vamos investigar tudo”, disse Medeiros.
O procurador do município, Ernesto Costa, informou que Arnaldo Mitouso determinou a revogação do contrato e a devolução aos cofres públicos dos valores pagos à empresa, com correção monetária. Ele afirmou que a prefeitura está revendo todos os contratos para encontrar possíveis irregularidades e que seria “desumano” querer que a administração municipal soubesse de tudo o que acontece. O procurador também disse que, caso haja demora na devolução do dinheiro, o município pode entrar com duas ações contra o escritório jurídico, uma para reaver os valores e outra por improbidade administrativa.  
Ernesto Costa disse que “acredita” que parte do valor já foi devolvida pelo escritório jurídico, mas ao ser questionado sobre quanto e quando a devolução foi feita e se possuía os comprovantes, ele disse que precisaria de um tempo para conseguir as informações.

Fonte: d24am.com

quinta-feira, novembro 03, 2011

Acesso à Série A do Campeonato Amazonense vai ao tapetão


Iranduba reivindica vaga do Grêmio Coariense em jogo de interesses.
Manaus - A 87 dias da bola rolar no Campeonato Amazonense de 2012, a competição dá sinais de que não merece a credibilidade dos poucos torcedores que ainda prestigiam o regional. É que as regras do jogo ou não estão sendo cumpridas ou são interpretadas conforme a conveniência. As duas vagas de acesso à Série A, conquistadas por Grêmio Coariense e CDC-Manicoré, campeão e vice da Série B, respectivamente, estão sendo reivindicadas no tapetão.
A Federação Amazonense de Futebol (FAF) se mostra favorável ao acesso do Iranduba Amazônia à primeira divisão do Estadual. Ontem, o diretor de futebol da FAF, Ivan Guimarães, reforçou denúncia do Verdão. O clube alega que o Grêmio escalou o jogador Felipe Carioca de forma irregular durante toda a Série B.
O dirigente assegurou que o Tricolor de Coari não registrou a transferência do atleta, que veio do futebol carioca. O Tribunal de Justiça Desportiva do Amazonas (TJD-AM) ainda julgará o mérito para definir se houve a infração enfatizada pelo diretor da FAF.
Outra aparente manobra de beneficiamento ao Iranduba foi a punição imposta pelo TJD-AM ao CDC-Manicoré e ao Tarumã. Ambos receberam multa de R$ 8 mil por não pagarem as taxas de arbitragem. O prazo para quitar a dívida expirou ontem e ambos estão impedidos de disputar competições. O Holanda e o Verdão também disputaram a divisão de acesso e não pagaram as taxas do segundo turno da competição (quatro jogos), mas sequer foram denunciados à Justiça Desportiva do Amazonas.
O diretor de futebol do Grêmio Coariense, Mazinho Bezerra, admite que os fatos deixam clara a impressão de beneficiamento do adversário, mas evita comentar o assunto. “Acredito que tudo isso seja para tentar manchar a conquista do nosso time. Por ser dirigente, prefiro ficar calado e esperar que a Justiça desminta todas as acusações”, ponderou Mazinho.
O dirigente citou outras ligações do jogo de interesses. O filho do diretor-técnico da FAF, o atacante Ivan Guimarães Júnior, o  Juninho, disputou a segunda divisão pela equipe do Iranduba Amazônia. Outro filho do dirigente, Geraldo Guimarães, trabalhou como supervisor de futebol na agremiação. Ambos estavam no Nacional no primeiro semestre.
“Eu acho legal o pai querer o melhor para os filhos. Mas é imoral”, ressaltou. Ivan Guimarães não retornou as ligações para seu celular a fim de comentar o fato. O julgamento no TJD-AM será nesta quinta-feira.
Fonte: www.d24am.com

segunda-feira, outubro 31, 2011

Quadrilha de ‘Piratas do Solimões’ é presa em Coari (AM)

EVELYN SOUZA E THIAGO MONTEIRO


Na madrugada de sábado (29) e na tarde deste domingo (30), policiais da Delegacia Civil do Município de Coari (localizado a 450 quilômetros de Manaus), prenderam 12 homens e um menor, pertencentes a uma quadrilha que assaltava barcos no Rio Solimões.

Leudimar Serrão Correia, de 20 anos, Raidimar Serrão Correia de 22 anos, Ediomar de Souza Oliveira - o “Diroso”, de 18 anos, Silas Peres da Silva - o “Hulgue”, de 20 anos, Ageu Peres de Araújo, de 25 anos, Elis Tavares - o “Caçula”, de 21 anos, Claudio Barroso - o “Professor”, de 32 anos, Eudesmar Serrão Campos - o “Macaco”, de 18 anos, Francisco Alcimar Pereira da Silva - o “Lobisomem”, de 51 anos, Francisco Pereira da Silva, mais conhecido como “Chico Boi”, de 39 anos, Raimundo Campos Bispo - o “Pinduca” de 23 anos, José Barros de Melo - o “Zezinho”, de 41 anos e um menor de 17 anos, foram presos em duas embarcações (onde eles esperavam para fazer as abordagens no rio) nas comunidades do Laranjal, Ipixuna e Boca das Onças em Coari.

Com eles foram apreendidos um revolver calibre 38, duas espingardas, duas pistolas sendo uma de 9 mm e a outra de 380 mm.

A abordagem foi uma operação conjunta do COE (Comando de Operações Especiais), Batalhão de Choque e 3º Batalhão da Polícia Militar de Tefé.

Todos os elementos foram indiciados por porte ilegal de arma de fogo, formação de quadrilha, roubo qualificado e estão detidos na 10º Delegacia Regional de Coari

Os assaltantes presos apontam como sendo o líder da quadrilha, um homem com apelido de Zé da Boia, que está foragido.

De acordo com o Major da Polícia Militar, Airton Norte, a quadrilha assaltava narcotraficantes colombianos, matava os mesmos e revendia a droga roubada. Na ocasião eles confirmaram o roubo de 120 kg de cocaína.

Empresa de secretário adjunto tem contrato com a Prefeitura de Coari, no Amazonas

Documentos mostram que José Pereira da Silva vendeu produtos de informática ao município.
   Mitouso foi derrotado nas eleições de 2008 e venceu a eleição suplementar em 2009.

Manaus - A Prefeitura de Coari fechou negócio com a empresa do secretário adjunto da Casa Civil, José Pereira da Silva, para aquisição de suplementos de informática. A firma atua sob o nome fantasia de Pegazus Computação mas, é batizada com o nome do dono e secretário - ‘J. Pereira Silva’.

Esse tipo de irregularidade não é uma ação isolada na gestão de Mitouso. No domingo, o Portal D24AM revelou que a Administração Municipal compra materiais de expediente da empresa da irmã do secretário municipal de Planejamento de Coari, Josinaldo Linhares de Oliveira, a empresária Josenira Linhares de Oliveira. Em outro caso de favorecimento de aliado, Mitouso contratou um escritório de advocacia cujo sócio é o presidente do Instituto Municipal de Previdência de Coari (Coariprev), Elissandro Portela.

José Pereira da Silva foi nomeado para secretário adjunto da Casa Civil em 10 de agosto do ano passado, por meio de decreto assinado pelo prefeito Arnaldo Mitouso. Mas, desde o dia 19 de outubro de 2009, ele já pertence ao alto escalão da gestão de Mitouso, quando foi nomeado secretário adjunto de Administração pelo então prefeito em exercício, José Railson de Oliveira Torres.

A reportagem do Portal D24AM teve acesso a três recibos de compras feitas entre a Pegazuz Computação e o município de Coari, com datas de abril e maio de 2010. As três notas de empenho somam o pagamento de R$ 6.887,00. Na Nota Fiscal 0217, a Prefeitura de Coari paga R$ 1.687,00 à Pegazus Computação por diversos itens de informática. Na terceira, NF 0220, destina R$ 4.500,00 para a aquisição de três computadores.

As duas notas trazem carimbos e assinaturas de recebimento do material por outros secretários municipais. Uma das entregas foi atestada pelo secretário de Saúde, Miguel de Moura Ribeiro, outra  traz a assinatura do secretário de Economia e Finanças, Aldemir Almeida Mitouso, irmão do prefeito.

Há uma semana a reportagem do Portal D24AM tenta ouvir a Prefeitura, mas ninguém se dispõe a falar. Uma assessora do prefeito pediu que a reportagem ligasse a um telefone que seria do procurador-geral do município, mas ninguém atendeu.

 Fonte: d24am.com