Archipo.Wilson. Tecnologia do Blogger.

quinta-feira, outubro 15, 2015

Secretaria de Cultura abre inscrições para curso de iniciação musical em Coari

IMG_0360 (2)

A Prefeitura de Coari, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult), abre nesta sexta-feira, 16, inscrições para o Curso de Iniciação Musical, que será realizado a partir do dia 26 de outubro de 2015, no auditório Silvério Nery, ás segundas, quartas e sextas-feira, das 17h30min às 19h30min.

Para participar, não é preciso ter conhecimento prévio de música, nem possuir instrumento. As vagas serão ilimitadas para os cursos de teoria musical e prática instrumental, com os seguinte instrumentos: flauta doce, violão, trombone de vara, trompete, sax alto e sax tenor, bombardino, tuba, clarinete e percussão geral. O curso será ministrado pelo maestro e trombonista, Gilberto Souza – OMB/AM 3529/2004.

Para se inscrever, é preciso ter a partir de 08 anos de idade e comparecer ao prédio da Secretaria de Cultura e Turismo até o dia 23 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 08h às 17h, para efetuar a matrícula. A Secult fica localizada na Rua 15 de Novembro, n° 325, Centro – térreo da casa dos padres.

Desenho de curso musical

Evento: Curso de Iniciação Musical.

Período de inscrição: de 16 a 23 de outubro de 2015.

Público alvo: qualquer cidadão coariense a partir de 08 anos de idade.

Local: auditório Silvério José Nery.

Duração: 90 dias (72 horas).

Horário: das 17h30min às 19h30min.

sexta-feira, setembro 25, 2015

Prefeitura dá posse aos membros do Conselho de Política Cultural de Coari

Com a posse dos conselheiros a prefeitura dá mais um passo para a implementação do Sistema Municipal de Cultura de Coari.

Com a posse dos conselheiros a prefeitura dá mais um passo para a implementação do Sistema Municipal de Cultura de Coari.

Os 28 membros do Conselho Municipal de Política Cultural de Coari tomaram posse na última quarta-feira (23), em solenidade realizada no Auditório Municipal Silvério José Nery, com a presença do secretário municipal de Educação, Alzaias Alves Martins, que representou o prefeito de Coari, Raimundo Magalhães. Os conselheiros terão mandato de dois anos, biênio 2016-2017, com direito a uma única reeleição. Representantes de diversos segmentos culturais como artesanato, artes visuais, música, literatura, danças, teatro e movimentos culturais compõem metade das cadeiras do conselho.

Primeiro Conselho de Política Cultural instituído na Rainha do Solimões, o órgão foi estabelecido pela Lei Municipal nº 616, de 31 de dezembro de 2013, como parte integrante do Sistema Municipal de Cultura (SMC), que habilita o município a estar integrado ao Sistema Nacional de Cultura (SNC). Com a instalação do Conselho Municipal de Política Cultural (CMPC) a Prefeitura de Coari dá o penúltimo passo para implantação do Sistema Municipal de Política Cultural do município, que será composto pelos seguintes componentes: Secretaria Municipal de Cultura, Conferências Municipal de Cultura, Plano Municipal de Cultura, Conselho Municipal de Política Cultural e Sistema Municipal de Financiamento à Cultura (com o Fundo Municipal de Cultura).

O CMPC é um órgão colegiado, com composição paritária entre poder público e sociedade civil e tem caráter consultivo e deliberativo. Suas principais funções são a articulação e pactuação entre poder público e sociedade civil, buscando o melhor desenvolvimento de políticas públicas para a cultura do município. O conselho pode, por exemplo, opinar e solicitar esclarecimentos sobre as ações de financiamento à cultura, propor diretrizes para as políticas setoriais, fiscalizar o Plano Municipal de Cultura, entre outras ações.

alza archipo

O órgão é formado por 28 integrantes, sendo que metade refere-se à sociedade civil e a outra parte ao poder público. Os representantes da Sociedade Civil foram indicados pelos segmentos culturais: Artes Visuais, Dança, Literatura, Música, Teatro, Movimentos Culturais e Associação Coariense de Conscientização Ambiental, Turística, Histórica, Artística e Paisagística (ACCATHAP). Cada categoria é composta por um representante titular e um suplente. Já os sete representantes do Poder Público e seus suplentes foram indicados pelo Prefeito Raimundo Magalhães, conforme dispõe a Lei do Sistema Municipal de Cultura, que distribui os assentos aos quais o Poder Público tem direito, com as seguintes secretarias municipais: Cultura e Turismo, Planejamento, Agroeconomia, Desenvolvimento Social, Educação, Meio Ambiente e Esporte e Lazer.

Para o secretário de Cultura e Turismo, Archipo Góes, com o apoio que o prefeito de Coari, Raimundo Magalhães, está dando à cultura, o sonho de efetivar a Lei do Sistema Municipal de Cultura, que se arrasta há mais de três anos, está perto de virar realidade. Archipo destacou ainda a persistência do cantor e compositor coarienses, José Adalberto da Silva, o Adal, que foi o responsável por dialogar com toda a classe artística da cidade, conscientizando-os da importância da luta pela implantação do CMPC. “Iremos construir juntos este sonho e efetivar esta política que agora é lei, a Lei do Sistema Municipal de Cultura. O nosso próximo passo é efetivar o Sistema Municipal de Financiamento à Cultura (com o Fundo Municipal de Cultura)”, garantiu o secretário.

Falando em nome do prefeito Magalhães, o secretário municipal de educação, Alzaias Alves Martins, iniciou o seu pronunciamento declarando que “já é hora de Coari deixar de ser chamada de ‘terra do já teve’, lembrando que o município é dono de um grande ‘celeiro’ de artistas, seja na música, na dança, nas artes plásticas, na literatura ou em qualquer manifestação artística cultural. Coari já foi palco de grandes manifestações culturais que marcaram época na nossa cultura, como a disputa entre os bois-bumbás Rei Garantido e Corre-Campo”, lembrou Alzaias.

O secretário de educação, também garantiu que o prefeito Magalhães está confiante na atuação do Conselho Municipal de Política Cultural, e que acredita ser um instrumento imprescindível para assegurar a democratização e a valorização da cultura coariense.

zurra e alza

MEMBROS DO CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICA CULTURAL

REPRESENTANTES DO PODER PÚBLICO

1. SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA E TURISMO

Titular – Archipo Wilson Cavalcante Góes

Suplente – Daniel de Almeida Alves

2. SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

Titular – Rômulo José de Oliveira Zurra

Suplente – Rayonilia Amaro da Silva

3. SECRETARIA MUNICIPAL DE AGROECONOMIA

Titular – Suêmia Carvalho do Nascimento

Suplente – Elinês Pinheiro Cordovil

4. SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Titular – Keila Barreto Ramires

Suplente – Alzinete Garcia Praia da Costa

5. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Titular – Josimar Batalha Mendes

Suplente – Joabe Marins da Cruz

6. SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

Titular – Cornélio Braga de Oliveira Filho

Suplente – Maria Socorro Marins de Almeida

7. SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

Titular – Fábio Lúcio da Silva Barros

Suplente – Ronyelle Feitosa da Costa

 

REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL

1. SEGMENTO: MÚSICA

Titular – Adenilton dos Santos Barbosa (Gato)

Suplente – Elekerby Torres da Silva

2. SEGMENTO: DANÇAS

Titular – Aldo da Costa Sales

Suplente – José Liberato da Silva

3. SEGMENTO: ARTES VISUAIS

Titular – Paulo César Moura da Silva

Suplente – Adonias Gonçalves Simões

4. SEGMENTO: LITERATURA

Titular – Alex de Almeida Alves

Suplente – Silvanei Santos da Silva

5. SEGMENTO: TEATRO

Titular – Ariana Ketlen Moraes Melara Pereira

Suplente – Elielma Jeane de Jesus Cavalcante

6. SEGMENTO: INSTITUCIONAL/ACCATHAP

Titular – Emerson da Silva Alfaia

Suplente – Cleuzomar Teixeira dos Santos

7. SEGMENTO: MOVIMENTOS CULTURAIS

Titular – José Adalberto da Silva (Adal)

Suplente – Waldomilson Sotero dos Santos

terça-feira, agosto 04, 2015

Nota Oficial do Secretário de Cultura e Turismo de Coari

Depois de uma festa excepcional em comemoração ao 83º Aniversário de Emancipação Política de Coari, na qual se percebeu uma satisfação geral de toda a população, tanto com o resultado do concurso Miss Coari 2015, como com a atração nacional, Léo Magalhães. Ao percorrer os camarotes do Centro Cultural recebi incontáveis elogios, tanto pela organização da festa, como, principalmente, pela transparência do Concurso Miss Coari 2015. 

Contudo, nesta terça-feira, 04, fui surpreendido com a notícia de que um senhor irresponsavelmente fez uma postagem em uma rede social, onde de maneira extremamente insana, afirma que a candidata do concurso Miss Coari 2015, que ficou em 7º lugar no resultado final do concurso que ocorreu no último domingo, dia 02 de agosto, “será a legítima representante do Município de Coari no Miss Amazonas 2016”. E que “por tanto (erro primário de Português, viu gente! Reproduzimos conforme esse senhor escreveu, mas nós sabemos que o correto é portanto), a Miss Coari Oficial será coroada em um evento exclusivo para a imprensa na segunda quinzena de agosto”. 

Informo que o concurso de Miss Coari é realizado há mais de 50 anos pela prefeitura de Coari, estando há 25 anos organizado pela Secretaria Municipal de Cultura. Sendo a mesma sua credenciadora oficial. Portanto, esse senhor não tem qualquer respaldo oficial para coroar uma Miss Coari, pois o mesmo não tem qualquer representatividade relativa ao Município de Coari. E dessa maneira, já estou entrando, através da Procuradoria do Município, com uma medida cautelar prevendo impedi esse ato descabido, e se mesmo assim, esse senhor teimar em realizar quaisquer atividade usando o nome de Coari, pretendo ir até as últimas consequências para levá-lo à cadeia para fazer companhia ao seu antigo chefe, na cavalaria da PM em Manaus.

Achei estranho também que a Candidata que esse senhor caduco pretende colocar no seu concurso desacreditado e sem credibilidade, no camarim do Centro Cultural Carlos Braga ter pedido a palavra e ter feito um belo discurso agradecendo a organização do concurso, afirmando que “nunca havia participado de um concurso tão bem organizado e com tanta transparência”. Essa moça está se rebaixando a uma situação deprimente, pois está foi a segunda vez que ela participou do concurso de Miss Coari e não obteve o resultado que esperava. Será que ela não entendeu que concurso de beleza um dos itens importantes é a simpatia e a empatia com público? Será que ela vai sempre se sentir perseguida. O mundo é como um espelho, devolve para nós o que projetamos.
Numa outra postagem, essa candidata chega a afirmar que houve fraude no concurso. Vou entrar com uma representação contra a mesma por danos morais, pois, ela vai ter que provar se realmente houve qualquer falcatrua no Miss Coari 2015. Pois não admitimos que a pessoa que mais elogiou a forma como o concurso foi conduzido, não ter espírito desportivo, e depois que o resultado ter sido anunciado tenha mudado de ideia tão rapidamente.
E finalizo garantindo que enquanto esse senhor estiver na frente desse concurso, não fazemos questão de comprometer o nome de nossa cidade com esse desabonado concurso.

quarta-feira, abril 08, 2015

Educação Econômica Coariense

Nesses dias encontrei no Diário Oficial dos Municípios a homologação de uma ata de registro de preços Nº. 015/2015 – SEMED/PMC (16 de março), no qual verifiquei que há itens bastante curiosos de uma licitação para a contratação de serviços de impressão de material gráfico como: fichas, relatório anual, capas de processos, blocos e outros materiais, para atender as necessidades da Secretária Municipal de Educação - SEMED, resultante do Pregão nº 027/2015, em uma gráfica que eu nem sabia que existia ainda.


Em média a SEMED trabalha com cerca de 10 escolas na sede do município, compreendendo a Educação Infantil (Creche: 0 a 3 anos - Pré-escola: 4 a 5 anos) e o Ensino Fundamental (Séries Iniciais - 1º ao 5º ano - Séries Finais - 6º ao 9º ano). Na zona Rural, por sua vez, existe cerca 120 núcleos escolares que trabalham com o Ensino Fundamental. Totalizando 130 escolas e cerca de 12.000 alunos. Tendo em vista, que no ano de 2012 houve nas escolas municipais 10.872 Matrículas no Ensino Fundamental e 1.970 matrículas no Ensino pré-escolar, totalizando 12.842 matriculas.

O primeiro ponto que chama atenção na referida licitação é logo no item 01 (Certificado do Ensino Fundamental), que possui no item quantidade, o valor de 10.000 exemplares, quando sabemos que os certificados serão entregues apenas aos alunos concludentes do 9° ano, e não a todos os alunos da rede municipal. Nesse caso, a economia seria cerca de 90% nesse item, ou seja, somente 1.000 certificados deverão ser impressos.

Contudo, outro ponto que devemos atentar é o valor exorbitante destinado para cada certificado, no valor de R$ 14,00. Para servir de parâmetro, fiz um calculo aqui e custo seria de 0,25 centavos em papel estilo diplomata e 0,75 centavos a impressão a laser colorido, ou seja, custo de material R$ 1,00; acrescentando ainda R$ 1,00 para mão de obra e extras (energia), teríamos um custo de R$ 2,00. E assim, podemos incluir um lucro que seria de 100% somente para que tenha um excelente negócio e, dessa forma, o custo de cada certificado seria de R$ 4,00 (Quatro Reais), com uma margem lucro bem significativa, e teríamos uma economia de R$ 10,00 (Dez Reais) por certificado. Ou seja, nesse item, o preço final despencaria de R$ 140.000,00 (Cento e Quarenta Mil Reais) para R$ 4.000,00 (Quatro Mil Reais).

Nos itens 02, 03, 05, 06, 07 (Ficha Individual, Histórico Escolar e Guia de Transferência) fiquei surpreso primeiro com o valor de R$ 0,50 por ficha duplex (frente e costa), uma vez que, o preço comercial seria de R$ 0,20. Pior ainda que, já estamos na era da informática e assim, não se usa fichas impressas em branco para depois serem preenchidas em máquinas datilográficas (nunca mais vi uma daquelas por ai) ou pior ainda em canetas esferográficas. Por isso, cada escola faz a impressão já preenchida com os dados atualizados naquele momento, pois, o uso de todas elas não é necessário para todos os 12.000 alunos. Então esses itens poderiam ser cancelados, gerando assim uma economia de R$ 24.000 (Vinte e Quatro Mil Reais). A sugestão seria fazer um banco de dados relacional com um controle educacional, simples e barato.

No item 8 (Relatório Anual), em que cada escola apresenta à Secretaria Municipal de Educação seus resultados quantitativos e qualitativos, podemos perceber que o preço de R$ 40,00 foi extremamente elevado e o material solicitado é de qualidade luxuosa e desnecessária. Contudo, pode-se verificar que o mais escandaloso é a quantidade de 10.000 exemplares, uma vez que há apenas 01 relatório por escola e não por aluno, ou seja, bastaria 130 relatórios ao invés de 10.000. E assim, o valor passaria de R$ 400.000,00 (Quatrocentos Mil Reais) para R$ 5.200,00 (Cinco Mil e Duzentos Reais), mesmo que fosse impresso em papel de modelo de luxuoso.


No Item 12 (Impressão gráfica de Relatório Institucional), observa-se que, apesar de ser um trabalho gráfico muito parecido com o item 8, aqui o preço é de R$ 2,50 (Dois Reais e Cinquenta Centavos), ou seja, ficou até abaixo do preço padrão de mercado, uma vez que são 80 páginas. Mas, o grande erro está em pedir a edição de 10.000 exemplares para um relatório geral da Secretária Municipal de Educação. Será que pretendem distribuí de casa em casa por toda Coari? Bastaria 200 cópias, e distribuir-se-ia, o tal relatório para todas as instituições da cidade de Coari. A despesa seria de R$ 500,00 (Quinhentos Reais) e não de R$ 25.000,00 (Vinte e Cinco Mil Reais).

No item 16 e 17 (Diário de Classe) a licitação aponta a impressão de 5.000 diários de classe para as séries iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) com o preço unitário de R$ 43,00 (Quarenta e Três Reais) e 5.000 diários de classe para as séries finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) com o preço unitário de R$ 38,00 (Trinta e Oito Reais). Nesses itens a soma do valor é de R$ 405.000,00 e a quantidade é de 10.000 diários de classe. Contudo, para atender a necessidade das escolas municipais de Coari, bastaria 2.000 diários com sobras (Não precisa de um diário para cada Aluno). E ainda, em nossa cidade podemos comprar um diário a R$ 6,00 (Seis Reais) nas papelarias. Assim a despesa seria de R$ 12.000,00 (Doze Mil Reais), Economizando R$ 393.000,00 (Trezentos e Noventa e Três Mil Reais).

Conclui-se que nos itens acima citados estão com os preços aparentemente superfaturados, ou seja, com preço maior do que o praticado em mercado, mesmo em Coari, onde encontramos mercadorias mais caras que em qualquer outra cidade amazonense. Com essas mudanças, já teríamos até o momento uma economia de R$ 972.300,00 (Novecentos e Setenta e Dois Mil e Trezentos Reais). Dessa maneira, poderíamos deixar essa licitação em torno de R$ 200.000,00 (Duzentos Mil Reais) e não em R$ 1.238.500,00 (Hum Milhão, Duzentos e Trinta e Oito Mil e Quinhentos Reais). Precisamos de uma educação econômica em Coari?